Engenharia Biomédica

 

 

Curso: Engenharia biomédica

 

Mestrado integrado

 

De acordo de processo de Bolonha: Sim

 

 

 Faculdades onde o curso é leccionado a nível nacional:

 

Diferenças: Medias de entrada e as propinas

Duração: 5 anos

Créditos totais: 300 ECTS

Acesso: O Acesso ao Mestrado integrado em Engenharia Biomédica  faz-se através do Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior.

Condições de Acesso

Nota: Universidade técnica de Lisboa não tem prova de ingresso só de matemática

Universidade nova de Lisboa

Elenco das Provas de Ingresso:                                            

16 Matemática
      ou
02 Biologia e Geologia (B)
16 Matemática
      ou
07 Física e Química (F)
16 Matemática
      ou
07 Física e Química (Q)
16 Matemática

 

Classificação mínima na (s) prova (s) de ingresso:
95

Classificação mínima na candidatura:
95

Fórmula de ingresso:
60% da classificação final do Secundário
40% da classificação final na(s) prova(s) de ingresso

 

Médias: http://www.acessoensinosuperior.pt/indcurso.asp?letra=E&frame=1

 

Nota: Para ver informações de outras universidades dirige-se ao site :

http://www.acessoensinosuperior.pt/indcurso.asp?letra=E&frame=1

 

Pré-requisitos/ Média do ultimo colocado em anos anteriores/ Vagas nos dois três anos anteriores: http://www.acessoensinosuperior.pt/indcurso.asp?letra=E&frame=1

 

Plano de Estudo (Universidade Nova de Lisboa)

 

A Engenharia Biomédica é uma área polivalente que aplica os princípios, métodos e ferramentas das ciências, da tecnologia e da engenharia para analisar e resolver problemas em medicina e biologia, no sentido de desenvolver abordagens inovadoras para a instrumentação em prevenção, diagnóstico e tratamento da doença, fornecendo assim uma melhoria geral nos cuidados de saúde e no próprio conhecimento do corpo humano.

Esta engenharia é inovadora e em grande crescimento, sendo apontada como uma das áreas científicas mais importantes neste século.

Estrutura (Disciplinas): http://www.unl.pt/guia/2008/fct/c-364#structure

 

Saídas Profissionais

Site: http://www.biomedica.eng.uminho.pt/

 

Funções 

As funções de um engenheiro biomédico são de natureza bastante variada e incluem: 

  • Funções dentro das unidades clínicas, nomeadamente nas vertentes – analítico-instrumental de apoio ao diagnóstico, vertente electrónica instrumental de manutenção da instrumentação, e, em casos particulares, na concepção e implementação de dispositivos de reabilitação; 
  • Funções de caracterização e monitorização do ambiente hospitalar – assepsia das enfermarias e quartos, esterilidade dos blocos cirúrgicos e de urgência, que podem ser exercidas por “outsourcing“; 
  • Funções de apoio à venda e utilização de material clínico, ou seja, funções de natureza técnico-comercial; 
  • Funções de especificação, concepção e fabrico de próteses e dispositivos médicos (incluindo os aspectos respectivos à garantia de qualidade); 
  • Funções de regulamentação e apoio ao nível dos organismos dependentes do Ministério da Saúde;
  • Funções de investigação e desenvolvimento em centros académicos de investigação e nas empresas produtoras de material clínico. 

Estimativas de Empregabilidade 

Tendo em conta as funções acima identificadas, em princípio, as saídas profissionais envolvem: 

  • Todas as unidades hospitalares de grande porte, que deverão ter vários profissionais deste tipo, tendo em vista a quantidade e a diversidade de funções que lhes estarão cometidas; 
  • Os centros de saúde com um mínimo de material clínico, o que se passa neste momento com praticamente todos os centros de saúde dos concelhos portugueses; 
  • Os centros de diagnóstico e de hemodiálise; 
  • As empresas representantes de material clínico; 
  • As fábricas de material hospitalar, de dispositivos médicos e de dispositivos de reabilitação – de próteses, membranas de hemodiálise, de “kits” de diagnóstico, de águas para uso clínico (soro fisiológico, hemodiálise, água bidestilada, etc.); 
  • Os SUCH do Ministério da Saúde; 
  • As unidades de investigação biomédica.